sábado, 24 maio 2024

Investigação sobre fuga de acreanos em Mossoró conclui que dupla teve apoio logístico de facção

Tião Maia, ContilNet

As armas e munições encontrados com os acreanos Deibson Cabral Nascimento e Rogério da Silva Mendonça ao serem recapturados em Marabá (PA) após 50 dias da fuga do presídio federal de Mossoró (RN), no mês passado, foram entregues a eles pela facção carioca Comando Vermelho (CV) no Ceará. A informação é de investigadores da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco) que atua no Ceap, segundo revelou o jornal Diário do Nordeste.

A Ficco no Ceará utilizou a experiência na captura de foragidos da Justiça para colaborar com a Ficco no Rio Grande do Norte e com a Delegacia de Mossoró, da Polícia Federal (PF), na busca pelos fugitivos do presídio. “Como a gente se especializou nessa matéria, a gente foi chamado a participar dessa investigação e a opinar no planejamento das ações”, revela o coordenador da Ficco no Ceará e delegado federal, Igor Conti.

“Em algumas ocasiões, nós conseguimos apontar a localização precisa dos fugitivos. Mas, por questões de logística local, a captura acabou não se dando. Quando eles ainda estavam no Rio Grande do Norte, nós conseguimos apontar a grande chance de eles estarem em uma propriedade rural. E, com a saída da região, eles produziram dados e informações que nos auxiliaram a localizar. Dividimos essa interação com a Inteligência da Delegacia de Mossoró e conseguimos colaborar com a ida deles para o Estado do Pará e com a prisão em Marabá”, disse o delegado Igor Conti.

Penitenciária Federal de Mossoró, de segurança máxima, de onde fugiram dois detentos/Foto: Reprodução/Senappen

As investigações policiais apontaram que, após furar o bloqueio policial na região de Mossoró, Deibson e Rogério chegaram ao município cearense de Icapuí, no dia 18 de março último. De lá, eles entraram em um barco com destino a Belém, no Pará.

A viagem pelo mar durou cerca de seis dias. Em território paraense, os fugitivos seguiram de carro para Marabá, onde foram interceptados por agentes da PF e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Deibson Cabral Nascimento e Rogério da Silva Mendonça contavam com o apoio de quatro comparsas. O objetivo era chegar na Bolívia. Com a quadrilha, foram apreendidos um fuzil, dois carregadores da arma, cerca de 50 munições, dinheiro e sete aparelhos celulares.

“Nós conseguimos identificar que o Comando Vermelho aqui do Estado do Ceará teve uma participação logística muito importante. Teriam sido eles que encaminharam o fuzil que foi encontrado com os fugitivos, em Marabá. Temos indícios que essa arma saiu aqui do Ceará e que esteve em uma casa em Aquiraz, onde estivemos”, aponta o delegado Igor Conti.

A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado é composta pela Polícia Federal Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS), Polícia Militar do Ceará (PMCE), Polícia Civil do Ceará (PCCE), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen), Perícia Forense do Ceará (Pefoce) e Secretaria da Administração Penitenciária e Ressocialização do Ceará (SAP).

A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado no Ceará localizou uma rede de apoio criada dentro do Comando Vermelho no Estado, para tentar ajudar na fuga dos dois homens. Mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos contra o grupo criminoso, em território cearense.

 

 

Últimas