sábado, 24 maio 2024

Obras que sobreviveram ao incêndio de Notre Dame são expostas em Paris

O Globo

Após o incêndio da Catedral de Notre-Dame , em 2019, o presidente da França , Emmanuel Macron, prometeu que a reergueria em cinco anos. Mesmo contrariando a opinião de especialistas — que mensuraram até 15 anos para terminar —, a data de reinauguração da catedral segue no dia 8 de dezembro, obedecendo o prazo estipulado por Macron.

Ainda assim, antes da inauguração oficial, será possível ver as obras e itens litúrgicos restaurados na exposição “Grandes Decorações Restauradas de Notre Dame”, aberta até 21 de julho na sede da Mobilier National, no 13º Distrito.

A exposição reúne pinturas, tapeçarias e um enorme tapete de coro, além de várias maquetes recentes com os desenhos dos objetos litúrgicos que sucumbiram às chamas: o altar, o ambão, o sacrário, o tabernáculo, o altar, o batistério e púlpito, projetado em 2023 pelo escultor Guillaume Bardet; além das maciças cadeiras, obra de Ionna Vautrin, da qual serão produzidos 1.500 exemplares.

Depois de avaliar os danos, dos quais as obras de arte foram salvas, surgiu a oportunidade de as estudar.

— Foi uma grande oportunidade não só para restaurar, mas também para realizar pesquisas sobre as pinturas que decoravam o templo — diz o diretor, Emmanuel Pénicaut, das coleções da Mobilier National, instituição vinculada ao Ministério da Cultura francês responsável pelo mobiliário nacional.

“O tapete de coro (que só é exibido em ocasiões especiais) estava guardado numa caixa e, quando o abrimos após o incêndio, pudemos ver que havia uma infestação de mariposas”, diz Vivian Sicard, chefe do departamento de comunicação da Direção-Geral dos Assuntos Culturais francesa, referindo-se, mais uma vez, à ideia de oportunidade. “Graças a isso, conseguimos detectá-lo e salvar a parte afetada do tapete.”

“Mayos” e os Atos dos Apóstolos

Com os donativos de pessoas e entidades privadas — 850 milhões de euros — empenhados nos primeiros dias após o incêndio, o orçamento não tem sido um problema para este projeto.

As obras principais da exposição são 13 grandes pinturas (entre três e quatro metros de altura e entre dois e três metros de largura) conhecidas como “Mayos”, parte do lote que a guilda de ourives de Paris ofereceu de presente à catedral a cada 1º de maio de 1630 a 1707.

— Das 76 pinturas que foram produzidas, 52 são conhecidas hoje; o resto se perdeu — diz Pénicaut.

Criadas todos os anos por um artista diferente — embora houvesse algumas que repetiam, mesmo em várias ocasiões — entre as quais se destacam nomes como Charles Le Brun, Jacques Blanchard, Charles Poërson e Laurent de La Hyre.

Todos eles são baseados no imaginário dos Atos dos Apóstolos, e serão distribuídos em duas áreas: de um lado, os que representam São Pedro e, de outro, os que representam São Paulo.

O diretor explica que a tradição das obras de “Mayo” surgiu por iniciativa dos cônegos da catedral como resultado da Contrarreforma.

Das cinquenta obras conhecidas, 13 estavam em Notre Dame no momento do incêndio, enquanto as demais estavam (e ainda estão) espalhadas entre o Louvre, várias igrejas na França e uma na Grã-Bretanha, adquiridas por um colecionador.

— Em meados do século 19, Viollet-le-Duc empreendeu sua reforma, na qual prevaleceu o caráter gótico da catedral — acrescenta Pénicaut.

Tapeçarias

Além de erguer a torre que foi incendiada para substituir a original do século 13, Viollet-le-Duc ordenou que os “Mayos” fossem rebaixados para deixar a nave (espaço entre a capela e entrada da igreja) nua, como foi originalmente concebida.

— Foi só na segunda metade do século 20 que o ministro da Cultura concordou em devolver os ‘Mayos’ à catedral, mas eles não foram mais colocados no corredor, para respeitar a arquitetura gótica, mas nas capelas laterais — concluiu. As obras voltarão para este espaço.

Junto com os “Mayos”, 14 tapeçarias sobre a vida da Virgem Maria tecidas na Bélgica e na França entre 1638 e 1657 serão exibidas na exposição.

Sete na primeira metade da exposição e as outras sete na segunda metade, devido à falta de espaço devido ao seu grande tamanho. Durante um século, essas telas decoraram as paredes de Notre Dame, até que, como ilustra Pénicaut, “em 1739 elas saíram de moda e os cânones deixaram de gostar delas”.

Assim, foram vendidos para a Catedral de Estrasburgo, onde permanecem desde então, mas que foram emprestadas para compor a exposição temporariamente, dando a oportunidade de apreciar essas peças em Paris pela primeira vez em quase três séculos.

História saqueada

Uma seção final da exposição abriga várias pinturas restauradas que estão penduradas em Notre Dame desde o século 19 embora não tenham sido originalmente produzidas para o templo.

— Na Revolução Francesa, todos os objetos e obras de arte foram retirados, até que, em 1801, a Concordata e Napoleão quiseram celebrar uma missa na catedral, que estava absolutamente fora de serviço. Assim, o Estado francês levou as pinturas que estavam disponíveis em Paris, entre as quais várias obras italianas que haviam sido apreendidas na Itália durante a Revolução por volta de 1796 — diz Pénicaut.

Ao contrário de outros despojos de guerra, essas obras de artistas como Guido Reni e Ludovico Carracci, nunca foram devolvidas ao seu país de origem, e serão substituídas na catedral, no transepto (espaço transversal que corta a nave).

Talvez dêem origem a outra boa oportunidade: a de reavivar o debate sobre a devolução de tesouros roubados não só aos países colonizados, mas também entre os diferentes povos da Europa.

Últimas