‘Vovó nazista’: Alemã de 95 anos é condenada a mais de um ano de prisão por negar Holocausto

Ursula Haverbeck, de 95 anos, havia sido condenada em 2015 em primeira instância a dez meses de prisão por "incitação ao ódio"

Uma alemã nonagenária foi sentenciada nesta quarta-feira em apelação por um tribunal de Hamburgo a um ano e quatro meses de prisão por negar o genocídio dos judeus pelos nazistas.

Ursula Haverbeck, de 95 anos, havia sido condenada em 2015 em primeira instância a dez meses de prisão por “incitação ao ódio”, após ter declarado que o campo de concentração e extermínio de Auschwitz era “apenas um campo de trabalho”.

Foto: AFP

A mulher se apresentava como representante do “revisionismo histórico”, caracterizado pela negação do Holocausto, e se proclamava uma “lutadora intrépida pela verdade”.

O processo em apelação, inicialmente previsto para 2018, foi adiado várias vezes, principalmente por causa da pandemia de COVID-19.

Na audiência em Hamburgo, contou com o apoio de simpatizantes que interromperam várias vezes as deliberações, informou o porta-voz do tribunal.

A acusada é viúva de Werner Georg Haverbeck, um ultradireitista falecido em 1999, com quem havia fundado em 1963 o Collegium Humanum de Vlotho (centro da Alemanha), apresentado como um centro educacional, mas conhecido como um foco de negacionismo até sua ilegalização em 2008.

Auschwitz-Birkenau é o símbolo do genocídio perpetrado pela Alemanha nazista contra seis milhões de judeus europeus, um milhão dos quais morreram nesse campo entre 1940 e 1945.

Lá também morreram cerca de 80.000 poloneses não judeus, 25.000 ciganos e 20.000 soldados soviéticos.

Sobre

@2024 – Todos os direitos reservados. Hospedado e desenvolvido por RJ Sistemas