Telescópio na Terra consegue fotografar detalhes de vulcões em lua de Júpiter

Utilizando o Shark-Vis, ferramenta que anula a turbulência atmosférica, astrônomos conseguirão estudar erupções que ajudaram a moldar as superfícies da Terra e da Lua

Astrônomos fizeram o registro com maior resolução da lua Io — que orbita Júpiter — utilizando Grande Telescópio Binocular, localizado no Arizona, Estados Unidos.

Este é o corpo com maior atividade vulcânica do Sistema Solar e sua imagem pode fornecer dados sobre as erupções que ajudaram a moldar as superfícies da Terra e nossa Lua.

Grande Telescópio Binocular é um dos mais poderosos observatórios terrestres do mundo

Grande Telescópio Binocular é um dos mais poderosos observatórios terrestres do mundoNasa

Para dar a dimensão da capacidade da ferramenta, a equipe de pesquisa compara o registro obtido a uma foto de uma moeda de dez centavos a uma distância de 160 quilômetros.

Essa análise foi possível com a utilização de um instrumento óptico de alto contraste, o Shark-Vis, que juntamente com um telescópio consegue anular a distorção induzida pela turbulência atmosférica.

A lua Io tem um tamanho parecido com a Lua do nosso planeta e seus vulcões apresentam uma atividade extremamente mais intensa que os da Terra.

“Io, portanto, apresenta uma oportunidade única para aprender sobre as enormes erupções que ajudaram a moldar as superfícies da Terra e da Lua em seus passados distantes”, disse Al Conrad, cientista associado do Observatório do Grande Telescópio Binocular.

A partir das novas imagens da Shark-Vis os astrônomos conseguiram identificar um fenômeno acontecendo: um vulcão conhecido como Pele, localizado no hemisfério sul de Io, próximo ao equador, está sendo coberto materiais expelidos durante a erupção de Pillan Patera, uma estrutura geológica vizinha.

Io fotografada em janeiro de 2024; a imagem destaca o anel avermelhado ao redor do vulcão Pele (abaixo e à direita do centro da lua) e o anel branco ao redor de Pillan Patera, à direita de Pele

Io fotografada em janeiro de 2024; a imagem destaca o anel avermelhado ao redor do vulcão Pele (abaixo e à direita do centro da lua) e o anel branco ao redor de Pillan Patera, à direita de Pele / INAF/Observatório do Grande Telescópio Binocular/Georgia State University; Observações da banda IRV por SHARK-VIS/F. Pedichini; processamento por D. Hope, S. Jefferies, G. Li Causi

“Imagens mais nítidas em comprimentos de onda visíveis, como as fornecidas pelo Shark-Vis e o Grande Telescópio Binocular, são essenciais para identificar tanto os locais das erupções quanto as mudanças de superfície não detectáveis no infravermelho, como os novos depósitos de pluma [coluna de material expelida durante uma erupção]”, disse Imke de Pater, professora emérita de astronomia da Universidade da California-Berkeley e co-autora da pesquisa.

Até agora, esse tipo de visão só havia sido alcançado por espaçonaves enviadas a Júpiter.
“A visão apurada do Shark-Vis é adequada para observar as superfícies de muitos corpos do Sistema Solar, não apenas as
luas dos planetas gigantes, mas também asteroides”, disse Simone Antoniucci, cientista que opera a ferramenta. E completou: “Já observamos alguns deles, com os dados sendo atualmente analisados, e estamos planejando observar mais.”

Sobre

@2024 – Todos os direitos reservados. Hospedado e desenvolvido por RJ Sistemas