Justiça define nesta quarta-feira se policial que matou jovem na Expoacre vai a júri popular

Família convoca apoio para manifestação em busca de justiça: "Vamos batalhar até o fim de nossas vidas"; mãe do jovem deu depoimentos emocionantes ao ContilNet

A audiência de instrução para o caso do jovem Wesley Santos da Silva, morto após ser baleado durante a Expoacre em agosto de 2023, está marcada para esta quarta-feira (5), a partir das 8 horas da manhã, na Cidade da Justiça, em Rio Branco.

A família convoca a comunidade para participar de um forte manifesto em busca de justiça.

O episódio ocorreu quando Wesley, então com 20 anos, e sua namorada, Rita de Cássia, foram alvejados por disparos de arma de fogo dentro do Parque de Exposições Wildy Viana.

O acusado, Raimundo Nonato Veloso da Silva Neto, policial penal e ex-diretor do presídio de Senador Guiomard, foi preso em flagrante e agora enfrenta acusações de homicídio e tentativa de feminicídio, além de importunação sexual contra Rita.

À esquerda, o jovem Wesley Santos, de 20 anos; e à direita, o policial penal/Foto: Reprodução

Segundo relatos, o policial teria assediado diversas mulheres no interior de um barzinho dentro do Parque de Exposições, culminando em uma série de confrontos que resultaram nos disparos fatais.

O crime causou comoção na comunidade e levou à prisão do acusado.

O processo judicial tem sido marcado por reviravoltas, incluindo concessões e revogações de liberdade provisória, mas o Ministério Público do Acre (MP-AC) conseguiu a prisão preventiva do policial.

Após a pronúncia do caso e sua aceitação pela Justiça, o acusado tornou-se réu.

A família clama por justiça e espera que o julgamento traga respostas e punições adequadas para o caso que chocou a comunidade. A presença das pessoas na audiência de instrução é fundamental para mostrar apoio e pressionar por um desfecho justo.

Família durante protesto em frente à Aleac/Foto: ContilNet

Em depoimento emocionante de Iza Souza, mãe do jovem Wesley Santos, durante entrevista especial ao ContilNet, ela revelou a dor e a determinação da família em busca de justiça para o filho.

Seu relato emocionante destaca a devastação que a perda de Wesley causou e a determinação da família em garantir que seu filho receba a justiça que merece.

“O que espero dessa audiência amanhã é ouvir mais duas testemunhas que ficaram faltando da primeira audiência. Amanhã é a continuidade e também vai ser decidido se ele vai a júri popular ou não, mas pelo tamanho da crueldade e maldade de tais atos, a nossa esperança é que ele seja condenado e pegue o máximo pela maldade que ele fez. Esse policial matou meu filho dentro do órgão público, no pátio, ele deveria que estar ali para proteger. Como ele mesmo foi quem causou o perigo, eu como mãe, quero que ele seja condenado”, disse Iza.

As palavras de Iza refletem não apenas a busca por justiça, mas também a dor insuportável de perder um filho de forma tão violenta.

Wesley não era apenas um filho, mas um pilar da família, sustentando não apenas emocionalmente, mas também financeiramente seus irmãos mais novos.

“Olha, fomos destruídos, eu e o pai dele,  pois o Wesley era um filho único do pai dele. Já eu não tenho mais dois filhos pequenos, pois era Wesley quem os sustentava. Wesley tinha três empregos, porque ele me ajudava a criar os pequenos dele e os meus. Morávamos juntos e Wesley era filho, pai, irmão ao mesmo tempo. Então ficamos todos desamparados. Isso acabou com a nossa vida. Estou destruída e acabada”, desabafa.

Iza também destacou a importância de garantir que a memória de Wesley seja honrada e que sua morte não seja em vão.

Ela clama por justiça não apenas para seu filho, mas para evitar que outros inocentes sofram o mesmo destino nas mãos de criminosos impiedosos.

“Todos os dias eu choro, todos os dias meu coração fica angustiado, meu coração queima lembrando do meu filho, da falta que ele faz. Meu filho não chega mais em casa 6h00 do trabalho, na hora que eu faço comida, meu filho não está mais ali pra comer. Ele não destruiu só a vida do meu filho, ele destruiu a vida do pai e da mãe do Wesley também. Ele assassinar o meu filho foi a mesma coisa de assassinar uma criança, um inocente.”

A luta por justiça continua para Iza Souza e sua família, que não descansarão até que o responsável pela morte de Wesley seja devidamente responsabilizado por seus atos.

Essa história comovente ressalta não apenas a importância de garantir que os culpados sejam responsabilizados, mas também a necessidade de apoiar e proteger as vítimas de crimes tão violentos como esse que tirou a vida de Wesley Santos da Silva.

Esta audiência é um passo crucial no processo legal que visa trazer justiça para Wesley Santos da Silva e sua família.

O caso, que foi publicamente divulgado em 3 de abril de 2024, continua a ser acompanhado de perto pela população, que espera que a verdade prevaleça e que os responsáveis sejam responsabilizados pelos seus atos.

 

Sobre

@2024 – Todos os direitos reservados. Hospedado e desenvolvido por RJ Sistemas