Espaçonave Starliner, da Boeing, faz primeiro lançamento tripulado; veja

Veículo espacial decolou dos Estados Unidos nesta terça-feira (5) levando dois astronautas da Nasa à Estação Espacial Internaciona

A espaçonave Starliner, da Boeing, fez seu primeiro lançamento tripulado no fim da manhã desta quarta-feira (5). A decolagem aconteceu por volta das 12h (horário de Brasília), a partir da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida (Estados Unidos).

Nave espacial Starliner em preparação para voo na Estação da Força Espacial Americana em Cabo Canaveral (Flórida) Crédito: Joel Kowsky/NASA via Getty Images

A nave é levada ao espaço por um foguete Atlas V, da ULA (United Launch Alliance).

O veículo espacial leva dois astronautas da Nasa (agência espacial dos EUA) para uma estadia de aproximadamente uma semana na Estação Espacial Internacional (ISS). Butch Wilmore e Suni Williams devem chegar à estação na quinta-feira (6).

Ali, os profissionais vão realizar testes na Starliner a fim de finalizar a certificação da Nasa para que a espaçonave passe a integrar o Programa Comercial de Tripulação da agência, que prevê voos tripulados periódicos até a ISS usando o veículo.

A missão lançada nesta terça, conhecida como Crew Flight Test (teste de voo tripulado), é o auge dos esforços da Boeing para desenvolver uma espaçonave capaz de rivalizar com a cápsula Crew Dragon da SpaceX e expandir as opções dos Estados Unidos para levar astronautas para a estação espacial no âmbito do Programa Comercial de Tripulação da Nasa.

A iniciativa da agência federal norte-americana visa fomentar a colaboração com parceiros da indústria privada.

Veja como foi o momento do lançamento no vídeo abaixo.

Tentativas anteriores

Vários problemas causaram o cancelamento das tentativas anteriores de lançamento tripulado, em 6 de maio e 1º de junho.

Duas horas antes da tentativa de lançamento em 6 de maio, os engenheiros identificaram um problema com uma válvula no segundo estágio, ou parte superior, do foguete Atlas V, que foi construído pela United Launch Alliance, uma joint venture entre a Boeing e a Lockheed Martin.

Toda a pilha, incluindo o foguete e a espaçonave, foi retirada da plataforma de lançamento para testes e reparos.

As equipes também trabalharam em um pequeno vazamento de hélio no módulo de serviço da espaçonave, uma “vulnerabilidade de design” no sistema de propulsão e avaliaram os paraquedas da cápsula Starliner.

O Starliner estava a apenas 3 minutos e 50 segundos da decolagem na tarde do sábado (1º), quando uma parada automática foi acionada pelo sequenciador de lançamento terrestre, ou o computador que lança o foguete.

Os técnicos e engenheiros da United Launch Alliance avaliaram o equipamento de suporte terrestre durante o fim de semana, examinando três grandes computadores alojados dentro de um abrigo na base da plataforma de lançamento.

Cada computador é igual, fornecendo redundância tripla para garantir o lançamento seguro de missões tripuladas.

“Imagine uma grande estante que é um grande computador onde as funções do computador como um controlador são divididas separadamente em cartões individuais ou placas de circuito impresso”, disse Tory Bruno, presidente e CEO da United Launch Alliance, durante uma conferência de imprensa no sábado. “Eles são todos autônomos, mas juntos, é um controlador integrado.”

Os cartões dentro dos computadores são responsáveis por diferentes sistemas-chave que devem ocorrer antes de um lançamento, como a liberação de parafusos na base do foguete para que ele possa decolar após a ignição.

Durante os quatro minutos finais antes do lançamento, todos os três computadores devem se comunicar e concordar entre si.

Mas durante a contagem regressiva de sábado, um cartão em um dos computadores estava seis segundos mais lento em responder do que os outros dois computadores, indicando que algo não estava correto e acionando uma parada automática, segundo Bruno.

Durante o fim de semana, os engenheiros avaliaram os computadores, sua fonte de energia e as comunicações de rede entre os computadores.

A equipe isolou o problema em uma única fonte de alimentação terrestre dentro de um dos computadores, que fornece energia aos cartões do computador responsáveis por eventos-chave da contagem regressiva — incluindo as válvulas de reabastecimento do estágio superior do foguete, que também causaram um problema durante a contagem regressiva, segundo uma atualização compartilhada pela Nasa.

As equipes do Starliner não relataram sinais de danos físicos no computador, que foi removido e substituído por um sobressalente. Os outros computadores e seus cartões também foram avaliados, e todos estão funcionando normalmente conforme esperado, segundo a equipe da ULA.

Sobre

@2024 – Todos os direitos reservados. Hospedado e desenvolvido por RJ Sistemas