Mãe e irmão de Djidja Cardoso estão em crise de abstinência na prisão

A defesa da família Cardoso, comandada pela advogada Lidiane Roque, afirmou que os dois eram apenas usuários de drogas. Saiba detalhes!

Presos, a mãe e o irmão de Djidja Cardoso, ex-sinhazinha do Boi Garantido que morreu no último dia 28, estariam tendo crises de abstinência.

Segundo o Fala Brasil, da Record TV, Cleusimar Cardoso e Ademar Cardoso faziam o uso de cetamina, conhecida como ketamina, durante experiências espirituais, em nome da seita religiosa Pai, Mãe e Vida, liderada por eles.

Os familiares de Djidja foram detidos em Manaus na quinta-feira (30/5), ao tentarem fugir com uma mochila cheia de narcóticos e armas de fogo, depois do falecimento da moça.

A suspeita da Polícia Civil, que investiga o caso, é que ela tenha tido uma overdose.

Arquivo Pessoal

A defesa da família Cardoso, comandada pela advogada Lidiane Roque, afirmou que Cleusimar e Ademar eram apenas usuários de drogas, que seita religiosa não realizava sacrifícios e que pregavam, sob efeito da substância, uma filosofia prevista num livro:

“Não existia seita. Não existia envolver funcionários. Nada disso”, justificou a especialista. Outras três pessoas, que prestava serviço para a rede de salões dos parentes de Djidja, também foram detidas.

Além do envolvimento com ketamina, de acordo com o delegado do caso, Cícero Túlio, Ademar foi denunciado por estupro e por induzir o aborto da ex-mulher:

“Ao longo das investigações, tomamos conhecimento de que Ademar também foi responsável pelo aborto de uma ex-companheira sua, que era obrigada a usar a droga e sofria abuso sexual quando estava fora de si”, esclareceu.

As mulheres eram supostamente mantidas em cárcere privado, nuas, por dias se tomar banho, em nome da seita. Segundo o rapaz, seria em prol de um ritual de purificação. No entanto, relatos garantem que uma delas, foi encontrada sangrando na residência da família Cardoso, sofrendo um aborto. Ela foi apontada como ex-mulher de Ademar.

A partir dessas queixas, a polícia chegou até Ademar Cardoso e sua mãe, Cleusimar Cardoso. A morte de Djidja teria adiantado as prisões, já que eles estavam sendo investigados há 40 dias por tráfico, já que a venda da ketamina é ilegal no Brasil.

 

Sobre

@2024 – Todos os direitos reservados. Hospedado e desenvolvido por RJ Sistemas