Caso Adriana: reveja Júri Popular que condenou Hitalo Marinho a 31 anos de prisão

O Júri Popular de Hitalo Marinho Gouveia, acusado de matar a esposa Adriana Paulichen em julho de 2021, teve três dias de duração e resultou na condenação do réu em 31 anos de prisão, em regime fechado.

ContilNet acompanhou todos os dias e fez a cobertura completa do júri. Acompanhe:

No Fórum Des. Lourival Marques de Oliveira, na Cidade da Justiça, o juiz Alesson Braz, da 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar da Comarca de Rio Branco iniciou o júri na terça-feira (14).

Veja: Homem que matou mulher após ela descobrir traição vai a júri popular nesta terça

Foram ouvidas cinco pessoas, entre testemunhas e informantes, arroladas pelo Ministério Público do Acre (MPAC), por parte da acusação. Antes do início do júri, a irmã da vítima, Andreia Paulichen conversou com a imprensa e disse o que esperava do julgamento.

Saiba mais: “Não tem como eu ser uma pessoa feliz se falta ela”, diz irmã de acreana morta por ex-marido

Andréia foi a primeira pessoa a ser ouvida, na condição de informante e disse que soube da morte de Adriana através de uma live que um veículo de comunicação estava fazendo no momento.

Leia: Irmã de jovem morta pelo marido diz que viu vítima em saco preto antes de saber da notícia

Após Andreia, a irmã Juliana foi ouvida, também na condição de informante. A amiga Auricélia também foi ouvida na terça-feira e falou que sempre via nas redes sociais que Hitalo mandava flores para Adriana.

Adriana foi morta pelo ex-marido após ela descobrir a traição com a melhor amiga/Foto: Reprodução

Veja: ‘Mandava flores para ela, mas a traiu várias vezes’, diz amiga de mulher morta por ex-marido

A mãe de Adriana, Maria da Costa, também foi ouvida no primeiro dia e falou sobre as vezes que a filha chegava em casa chorando, contando das traições.

Saiba mais: “Ela chegou a se ajoelhar várias vezes para ele”, diz mãe de jovem assassinada pelo ex-marido

Alexandre, ex-companheiro de Juliana e ex-cunhado de Adriana, também foi ouvido como última testemunha de acusação. Alexandre comentou sobre alguns episódios que esteve presente ao lado de Juliana.

Veja: Testemunha do caso de mulher morta por marido diz que casal era ‘exemplo de família’

A ex-esposa de Hitalo, Bruna, foi a primeira testemunha de defesa ouvida na terça-feira. Bruna comentou sobre o relacionamento que teve com Hitalo, que durou mais de 10 anos. A ex-esposa contou que enquanto eram casados, o réu nunca levantou o tom de voz com ela.

Confira: ”Esperava que ele morresse primeiro”, diz ex-companheira de homem que matou esposa

A irmã de Hitalo, Mariza Silva, foi a segunda pessoa da defesa ouvida nesta terça-feira (14). Mariza falou sobre as vezes que presenciou agressões sofridas pelo réu.

“Começaram a brigar quando ela engravidou, sempre pelo mesmo motivo. Nem eu poderia ficar no sofá assistindo filme com ele. Ela tinha ciúmes. Na gravidez as brigas começaram e ela começou a bater nele e jogar facas depois que ela pariu”, disse.

Leia: “Toda semana comprava uma vassoura nova e quebrava nele”, diz irmã de acusado de matar esposa no Acre

A mãe do réu, Mara Marinho, também foi ouvida na terça-feira, e também falou sobre os episódios de brigas e agressões que presenciou. Além disso, Mara relatou que começou a escrever um diário que relatava o que acontecia com o casal.

Mara iniciou o depoimento informando que era muito amiga de Adriana, que a aconselhava. “Antes de ganhar o bebê, o relacionamento era tranquilo. Eu sinto muito pelo o que aconteceu, apesar das agressões que ela fez no meu filho. Eu falava para ela que se ele fizesse algo com ela, que ela me falasse, eu sou mãe dele e conversaria com ele”, disse.

Saiba mais: “Eu escrevi um diário sobre as brigas dos dois”, diz mãe de homem acusado de matar companheira

Um amigo de Hitalo que esteve presente no dia do crime também foi ouvido no primeiro dia de julgamento. Durante a oitiva, Jean contou o que aconteceu enquanto esteve no estabelecimento do casal.

Veja: Amigo de homem que matou esposa no Acre diz que acusado vivia com marcas de agressão

Após o amigo de Jean falar, a última testemunha foi ouvida na terça-feira. Era uma vizinha do casal que relatou ter ouvido algumas brigas. O primeiro dia foi encerrado às 20h e retomado no dia seguinte, com o interrogatório do réu.

Foto: ContilNet

Na quarta-feira (15), o segundo dia do Júri Popular começou com o interrogatório de Hitalo Marinho Gouveia, que falou ao juiz Alesson Braz que matou Adriana pois ela queria matar o filho do casal.

“O senhor matou a dona Adriana?”, perguntou juiz Alesson e, em seguida, Hitalo respondeu “Sim, senhor”. Foi questionado o porquê e o réu respondeu: “Adriana tentou matar meu filho”.

Leia mais: Durante júri no Acre, acusado diz que assassinou esposa porque ela queria matar o filho

O interrogatório do réu durou aproximadamente 4 horas na quarta-feira (15), o juiz fez perguntas, além da promotoria do Ministério Público do Acre (MPAC), a defesa, representada pelo advogado Sanderson Moura, também fez perguntas à Hitalo.

Durante o interrogatório, as perguntas foram desde a vida de Hitalo, como formação, filhos, nome dos pais, até o início do namoro com Adriana, a briga que antecedeu o crime e o dia dos fatos.

Veja: Júri: Hitalo diz que deu mata-leão em esposa antes de assassiná-la e conta detalhes do crime

Após o interrogatório do réu, a promotoria do MPAC iniciou o debate com a promotora Manuela Canuto, que indagou sobre quem seria o verdadeiro réu, visto que Adriana estaria sendo culpabilizada pela própria morte. Além disso, dra. Manuela apresentou dados sobre feminicídio no Brasil e principalmente no Acre.

Promotora Manuela Canuto/Foto: Reprodução

Saiba mais: Caso Adriana: MPAC diz que mulher morta pelo marido está sendo culpada pelo assassinato

O promotor Thalles Ferreira também usou o momento do MPAC para continuar falando sobre dados estatísticos de violência contra a mulher. O promotor também pontuou sobre um rapaz [Hitalo], que serviu o Exército não conseguiu conter uma mulher com 1,58m e 54kg. “Não conseguiu conter uma mulher de 54 quilos, precisou dar duas facadas e estrangular ela. Ele é tão mentiroso e dissimulado porque perguntei se tinha mexido no corpo dela e disse que não. Ele conhece tudo desse processo”, destacou. O promotor também chamou Hitalo de “narcisista e perverso”.

Promotor Thalles Ferreira/Foto: ContilNet

Veja: “Mentiroso e dissimulado”, diz promotor a acusado de matar esposa durante júri no Acre

Com o fim da fala do MPAC, o advogado de defesa Sanderson Moura, iniciou a defesa da tese no debate.

O advogado pede uma oportunidade para que o Hitalo possa se defender e pede espaço para expor a defesa. “Não vim aqui para bater em mesa, gritar. Vim para defender. Peço espaço para que eu exponha a defesa. Será que tudo que ouviram aqui é sobre uma defesa sem fundamento?”.

Leia: “Não é agressor de mulheres”, diz advogado de homem que matou esposa: “Ela não é santa”

O Júri Popular de Hitalo Marinho Gouveia se estendeu por mais um dia, visto que as partes usariam da réplica e tréplica. O juiz Alesson Braz decidiu que o Júri terminaria apenas no dia 16 de março.

Na quinta-feira (16), aconteceu a réplica e tréplica, realizada pela promotoria do MPAC e pela defesa, respectivamente. Após esse momento do debate, houve a votação e a leitura da sentença, feita pelo juiz Alesson Braz, na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar do Acre, no Fórum Criminal na Cidade da Justiça, em Rio Branco.

Leia mais: Júri de Hitalo Marinho, acusado de matar a esposa no Acre, chega ao 3º dia; veja detalhes

A promotora Manuela Canuto iniciou dizendo que o réu aproveitou-se de um ato cometido em um cubículo, se referindo ao local do crime, “sem qualquer testemunha, apenas um bebê, e vem inventar mentiras”.

Manuela também questionou porque o réu matou. “O réu matou após Adriana descobrir a última traição, aquela traição que lhe doeu. Adriana foi traída com a melhor amiga”, disse.

Veja: Júri no Acre: Promotora diz que Hitalo matou Adriana porque não aceitou ser descartado

Após o fim da réplica, a defesa iniciou a tréplica com uma fala da advogada que compõe a defesa de Hitalo, dra. Larissa Leal, que começa falando que exige respeito por parte do Ministério Público, que nunca se sentiu tão desrespeitada como foi pela promotoria. A advogada também falou que não entrou no local do crime, que não mexeu no local do crime, que não ajudou Hitalo a inventar uma história, como teria sido apontado.

Sanderson Moura é advogado de Hitalo, acusado de matar a esposa em 2021/Foto: Reprodução

O advogado Sanderson usou o momento para refutar alguns argumentos utilizados pelo MPAC. A defesa diz que se Hitalo matou por asfixia teria que ter ficado marcas e rebate o fato de o MPAC estar desconsiderando o que diz o laudo. “É um crime que deixa vestígios. Vocês não podem condenar o réu a mais do que está provado”. O advogado leu o laudo cadavérico de Adriana, de forma detalhada.

Veja: Advogado diz que ‘muitos homens teriam matado’ Adriana ao defender acusado

Com o fim da tréplica, o juiz solicitou a saída dos presentes para o início do julgamento e votação. Do lado de fora, a família de Adriana aguardava, unida, a leitura da sentença. Com o rosto de Adriana estampado em camisetas junto da frase “queremos justiça”, os familiares aguardam do lado de fora a fase final do julgamento que durou três dias, do crime que ocorreu em julho de 2021.

Saiba mais: Família de Adriana pede justiça enquanto Júri Popular decide sentença no Acre

Ao fazer a leitura da sentença, o juiz Alesson Braz usou o momento para fazer um alerta à população. Na mensagem, o magistrado disse que “em briga de marido e mulher tem que meter a colher”.

“Não é possível fazer muita coisa sem a ajuda da sociedade, então, briga de marido e mulher têm que meter a colher, tem que falar, pra evitar que esses casos terminem chegando aqui”, ressaltou Alesson Braz. Em seu discurso, ele também pediu que a imprensa reforçasse os canais de denúncia, mencionando-os para manter a população informada.

Juíz Alesson Braz, responsável pela condução do Júri Popular que condenou Hitalo pela morte da esposa/Foto: ContilNet

O juíz salientou que o número 180 é a Central de Atendimento a Mulher. A ligação é gratuita e a denúncia pode ser feita de modo anônimo. Além desse número, também é possível entrar em contato com o 190, acionando a Polícia Militar.

Leia: “Em briga de marido e mulher tem que meter a colher”, diz juíz ao condenar feminicida no Acre

Após a leitura da sentença, Hitalo Marinho, acusado de matar esposa, foi condenado a mais de 30 anos de prisão.

Após três dias intensos de Júri Popular na Cidade da Justiça, Hitalo Marinho Gouveia, acusado de matar a própria esposa, Adriana Paulichen, em julho de 2021, foi condenado a 31 anos de prisão em regime fechado por homicídio triplamente qualificado.

A irmã da vítima, presente durante todo o julgamento, se emociona e diz em entrevista que não acha que a pena seja suficiente. “Nada vai trazer ela de volta”, comentou.

Fonte: Maria Fernanda Arival, ContilNet

Últimas